EFEITOS DE DROGAS ILÍCITAS

Posted in Efeito das drogas on junho 2, 2008 by amanda0525

 

EFEITO DA COCAÍNA

A cocaína é uma droga psicoativa que estimula e vicia, promovendo alterando cerebrais muito importantes. É extraída da folha da coca e se consumida por muito tempo ocasiona muitos problemas de saúde, como por exemplo: a aceleração do envelhecimento e danos cerebrais.

A cocaína é originária da planta Erythroxylon coca, nativa da Bolívia e do Peru. Pode ser utilizada pelas vias intranasal, intravenosa e pulmonar, podendo em casos mais raros ser usada via oral.

Devido os efeitos de euforia e prazer que a cocaína proporciona, as pessoas são seduzidas a utilizá-la para vivenciar sensações de poder, entretanto esses efeitos duram pouco tempo, onde a pessoa entra em contato com a realidade e experimenta depressão e ansiedade por utilizá-la novamente.

Aceleração ou diminuição do ritmo cardíaco, dilatação da pupila, elevação ou diminuição da pressão sanguínea, calafrios, náuseas e vômitos, perda de peso e apetite são alguns dos efeitos biológicos da cocaína.

O EFEITO DO CRACK

O crack deriva da planta de coca, é resultante da mistura de cocaína, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, resultando em grãos que são fumados em cachimbos.

 O surgimento do crack se deu no início da década de 80, o que possibilitou seu fumo foi a criação da base de coca batizada como livre.O consumo do crack é maior que o da cocaína, pois é mais barato e seus efeitos duram menos. Por ser estimulante, ocasiona dependência física e, posteriormente, a morte por sua terrível ação sobre o sistema nervoso central e cardíaco.

Devido à sua ação sobre o sistema nervoso central, o crack gera aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, suor intenso, tremores, excitação, maior aptidão física e mental. Os efeitos psicológicos são euforia, sensação de poder e aumento da auto-estima.

A dependência se constitui em pouco tempo no organismo. Se inalado junto com o ácool, o crack aumenta o ritmo cardíaco e a pressão arterial o que pode levar a resultados letais.

 

O EFEITO DA HEROÍNA

Princípio ativo e reações

A heroína é derivada do ópio. Seu consumo pode causar dependência física, envelhecimento acelerado e danos cerebrais, favorecendo dependência química e psíquica, além de ser muito nociva ao corpo, o que faz dela a droga mais prejudicial que se conhece.

Depois do contato com a droga, a pessoa fica fora da realidade, apresentando estado de sonolência, as pupilas ficam contraídas, e logo após apresenta estado de depressão profunda.

A heroína pode ser injetada, inalada ou fumada.

Efeitos da droga 

Os efeitos físicos são surdez, cegueira, delírios, inflamação das válvulas cardíacas, coma e às vezes morte. Devido o excesso de noradrenalina produzida pela droga, os batimentos cardíacos e a respiração aceleram, a temperatura do corpo fica desregulada ocasionando calafrios. Podem ser observadas também vômitos, diarréias e dores abdominais.

 
A heroína diminui sensações de dor e ansiedade, é utilizada com o intuito de diminuir o desânimo e aumentar a auto-estima, seus efeitos podem durar entre quatro e seis horas e se misturada com álcool ou outras drogas depressoras aumenta o risco de overdose.

EFEITO DAS ANFETAMINAS

As anfetaminas são drogas estimulantes, ou seja, estimulam o sistema nervoso central, provocando aumento das capacidades físicas e psíquicas. Os efeitos que podem ser sentidos no corpo são: dilatação da pupila, aumento da pressão sanguínea, aumento do número de batimentos cardíacos.Anfetaminas são drogas sintéticas, fabricadas em laboratório. Foi sintetizada pela primeira vez em 1887, na Alemanha. Quarenta anos mais tarde começou a ser usada pelos médicos para aliviar fadiga, alargar as passagens nasais e branquiais e estimular o sistema nervoso central. Em 1932, a droga foi lançada na França com o nome de Benzedrine, na forma de inalador indicado como descongestionante nasal. Em 1937, foi comercializada na forma de comprimido para elevar estados de humor. Durante a Segunda Guerra Mundial foi utilizada pelas tropas alemãs para reforçar a resistência e eliminar a fadiga de combate.

O controle da comercialização iniciou por volta do ano de 1970, quando as anfetaminas passaram a ser consideradas drogas psicotrópicas, por causar um estado de grande excitação e sensação de poder, dependendo da dosagem. As anfetaminas provocam dependência física e psíquica, o uso freqüente pode ocasionar tolerância à droga e diante da suspensão poderá ocorrer também a síndrome de abstinência.

As anfetaminas são facilmente encontradas em farmácias e usadas principalmente em regimes de emagrecimento e como estimulante, pois inibe a fome e proporciona euforia, maior resistência e melhor concentração, porém as farmácias são obrigadas a vendê-las sob prescrição médica.

 

EFEITO DO ECSTASY

O ecstasy é uma substância psicoativa designada como 3,4 metilenodioximetanfetamina. Foi sintetizada pela empresa Merck em 1914, e é chamada droga de recreio ou de desenho, pois possui ação estimulante e alucinógena.É consumido injetado, inalado, e por via oral. Apresenta-se em forma de pastilhas, comprimidos, barras, cápsulas ou pó.

O ecstasy, a nível cerebral, age aumentando a produção e a diminuição da reabsorção da serotonina, dopamina e noradrenalina. Seus efeitos surgem após vinte e setenta minutos, atingindo estabilidade em duas horas, pode agrupar efeitos da cannabis, das anfetaminas e do álcool.

Os efeitos físicos são taquicardia, aumento da pressão sanguínea, secura da boca, diminuição do apetite, dilatação das pupilas, dificuldade em caminhar, reflexos exaltados, vontade de urinar, tremores, transpiração, câimbras ou dores musculares.

Quanto aos efeitos psíquicos, o ecstasy ocasiona sensação de intimidade e de proximidade com outras pessoas, aumento da comunicação, da sensualidade, euforia, despreocupação, autoconfiança e perda da noção de espaço.

Em longo prazo podem ocorrer alguns efeitos tais como lesões celulares irreversíveis, depressão, paranóia, alucinação, despersonalização, ataques de pânico, perda do autocontrole, impulsividade, dificuldade de memória e de tomar decisões.

 

EFITOS DE DROGAS LICÍTAS

Posted in Efeito das drogas on junho 2, 2008 by amanda0525

EFEITO DO TABACO

O que o tabaco faz no corpo após uma dose (efeitos físicos agudos)?

O tabaco produz um pequeno aumento nos batimentos cardíacos, na pressão arterial, na freqüência respiratória e na atividade motora. No sistema digestivo diminue as contrações do estômago, dificultando a digestão. É irritante para os brônquios (pulmões) e provoca insônia (tira o sono).

O que o tabaco faz no corpo (efeitos físicos crônicos) pelo uso continuado?

O uso intenso de cigarros aumenta a probabilidade de ocorrência de algumas doenças como por exemplo infarto do miocárdio, bronquite crônica, infisema pulmonar, derrame cerebral , úlcera digestiva, etc. O cigarro tem um potencial carcinogênico (isto é de provocar câncer) que é certamente, um dos mais importantes aspectos estudados. O fumo contém cerca de 80 substâncias cancerígenas, entre as quais se destacam o benzopireno e nitrosaminas. Há também estudos mostrando que as pessoas que fumam 1 – 2 maços de cigarros por dia vivem cerca de 8 anos menos do que aqueles que não fumam.

O que o tabaco faz com a mente após uma dose (efeitos psíquicos agudos)?

Após uma tragada, a nicotina é absorvida pelos pulmões chegando ao cérebro geralmente em 9 segundos. Quando em jejum e se a tragada for grande, a pessoa pode ficar ligeiramente tonta. Outros efeitos são: leve estimulação do cérebro e diminuição do apetite. Não há, na realidade nenhum efeito mais intenso ou importante.

O que o tabaco faz com a mente quando uasado continuamente (efeitos psíquicos crônicos)?

Não provoca grandes danos.

EFEITO DO ALCOOL

O principal agente do álcool é o etanol (álcool etílico). O consumo do álcool é antigo, bebidas como vinho e cerveja possuíam conteúdo alcoólico baixo, uma vez que passavam pelo processo de fermentação. Outros tipos de bebidas alcoólicas apareceram depois, com o processo de destilação.

Apesar de o álcool possuir grande aceitação social e seu consumo ser estimulado pela sociedade, este é uma droga psicotrópica que atua no sistema nervoso central, podendo causar dependência e mudança no comportamento.

Quando consumido em excesso, o álcool é visto como um problema de saúde, pois este excesso está inteiramente ligado a acidentes de trânsito, violência e alcoolismo (quadro de dependência).

Os efeitos do álcool são percebidos em dois períodos, um que estimula e outro que deprime. No primeiro período pode ocorrer euforia e desinibição. Já no segundo momento ocorre descontrole, falta de coordenação motora e sono. Os efeitos agudos do consumo do álcool são sentidos em órgãos como o fígado, coração, vasos e estômago.

Em caso de suspensão do consumo, pode ocorrer também a síndrome da abstinência, caracterizada por confusão mental, visões, ansiedade, tremores e convulsões.

Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

FONTE:http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=O+EFEITO+DO+ALCOOL&meta=

Tipos de drogas ilícitas

Posted in Tipos de drogas on junho 2, 2008 by amanda0525

 

cocaína

A cocaína deriva da folha do arbusto da coca (Erytbroxylon Coca), do qual existem variedades como a boliviana (huanaco), a colombiana (novagranatense) ou a peruana (trujilense). A planta possui 0,5% a 1% de cocaína e pode ser produtiva por períodos de 30 ou 40 anos, com cerca de 4 a 5 colheitas por ano.

Esta substância possui propriedades estimulantes e é comercializada sob a forma de um pó branco cristalino, inodor, de sabor amargo e insolúvel na água, assumindo os nomes de rua de coca, branca, branquinha, gulosa, júlia, neve ou snow. O pó é conseguido mediante um processo de transformação das folhas da coca em pasta de cocaína e esta em cloridrato.

Regra geral, a cocaína é consumida por inalação, mas pode também ser absorvida pelas mucosas (por exemplo, esfregando as gengivas). Para além disso, pode ainda ser injectada pura ou misturada com outras drogas. Não é adequada para fumar. A cocaína é, por vezes, adulterada com o objectivo de aumentar o seu volume ou de potenciar os efeitos. Nestes casos, é-lhe misturada lactose, medicamentos (como procaína, lidocaína e benzocaína), estimulantes (como anfetaminas e cafeína) ou outras substâncias.

 

ANFETAMINAS

As anfetaminas são substâncias de origem sintética e com efeitos estimulantes. São frequentemente chamadas de speed, cristal ou anfes. As anfetaminas, propriamente ditas, são a dextroanfetamina e a metanfetamina.

Quando estão em estado puro têm o aspecto de cristais amarelados com sabor amargo. No entanto podem também ser encontradas sob a forma de cápsulas, comprimidos, pó (geralmente branco, mas também pode ser amarelo ou rosa), tabletes ou líquido. As anfetaminas, quando vendidas ilegalmente, podem ser misturadas com outras substâncias, tornando-as bastante perigosas. São, por vezes, chamadas de droga “suja”, dado que o seu grau de pureza pode ser de apenas 5%.

São geralmente consumidas por via oral, intravenosa (diluídas em água), fumadas ou aspiradas (em pó). A forma menos prejudicial e consumir anfetaminas é engolindo-as (não misturadas com álcool). A inalação danifica as mucosas do nariz e injectar é a forma mais perigosa de usar esta ou qualquer outra droga, dado que aumenta o risco de overdose e de problemas físicos ou contágio de doenças.

As anfetaminas estimulam o Sistema Nervoso, actuando na noroadrenalina, um neurotransmissor. Os sistemas dopaminérgicos e serotonérgicos são também afectados. Imitam os efeitos da adrenalina e noradrenalina – permitem ao corpo efectuar actividades físicas em situações de stress.

Têm sido principalmente utilizadas para tratamento da obesidade, uma vez que provocam perda de apetite. Foram também bastante utilizadas para tratar depressão, epilepsia, Parkinson, narcolepsia e danos cerebrais em crianças. Existem vários produtos à venda no mercado: Benzedrine, Bifetamina, Dexedrine, Dexamil, Methedrine, Desoxyn, Desbutal, Obedrin e Amphaplex.

 

O ECSTASY

Chamada droga de recreio ou droga de desenho, o Ecstasy é uma droga de síntese pertencente à família das fenilaminas. As drogas de síntese são derivados anfetamínicos com uma composição química semelhante à da mescalina (alucinogéneo). Desta forma, o Ecsatsy tem acção alucinogénea, psicadélica e estimulante.

É, geralmente, consumido por via oral, embora possa também ser injectado ou inalado. Surge em forma de pastilhas, comprimidos, barras, cápsulas ou pó. Pode apresentar diversos aspectos, tamanhos e cores, de forma a tornar-se mais atractivo e comercial. Esta variabilidade abrange também a composição das próprias pastilhas, o que faz com que, muitas vezes, os consumidores não saibam exactamente o que estão a tomar.

Existem outras drogas de desenho entre as quais e podem referir o MDA ou o MDE e que apresentam nomes de rua como a pílula do amor, eva, etc.

O Ecstasy actua mediante o aumento da produção e diminuição da reabsorção da serotonina, ao nível do cérebro. A serotonina parece afectar a disposição, o apetite e o sistema que regula a temperatura corporal. Não se conhecem usos terapêuticos para esta substância, embora tenha sido experimentada, antes da sua ilegalização, em contextos de terapia de casal e psicoterapia pelos seus efeitos entactogénicos.

CRACK

A base livre (freebase) e o crack (rock, pedra) são duas drogas estimulantes quimicamente iguais. Ambas são derivadas da coca, no entanto o seu processo de preparação difere: a base livre é conseguida mediante o aquecimento de uma mistura de cloridrato de cocaína com éter. Quando o aquecimento é feito com bicarbonato de sódio, amoníaco e água, o produto final será o “crack”, que possui este nome devido aos barulhos crepitantes dos resíduos de bicarbonato de sódio quando aquecidos. Esta forma de cocaína torna-se passível de ser fumada.

O efeito experimentado pelo consumidor depende sobretudo da velocidade com que a concentração no sangue aumenta e não propriamente do nível da concentração da substância. Assim sendo, a ingestão pelo fumo tem um efeito mais acentuado, dado que penetra com rapidez nos tecidos pulmonares, atingindo facilmente o coração e depois o cérebro. Quando inalada, a substância tem que penetrar a membrana mucosa que é algo grossa e depois circular no sangue até ao coração, passando depois pelos pulmões antes de atingir o cérebro. Esta viagem obriga a uma diluição considerável da droga. Pode ainda ser feita a aspiração dos vapores da combustão, recorrendo-se para tal a utensílios como cachimbos próprios, tubos de vidro, canetas esferográficas, papel de alumínio, etc.

São comercializadas sob a forma de pedras brancas ou amareladas ou bolinhas semelhantes a grãos de chumbo (125 ou 300 miligramas).

À semelhança da cocaína, pertencem ao grupo das substâncias simpático-miméticas indirectas, contribuindo para o aumento de neurotransmissores na fenda sináptica e para o estímulo das vias de neurotransmissão, nas quais a dopamina e noradrenalina estão implicadas. Não é conhecido algum uso terapêutico destas substâncias.

HEROÍNA

Esta substância é um opiáceo, sendo, por isso, produzida a partir da papoila (de onde é extraído o ópio), que é transformada em morfina e mais tarde em heroína. Os principais produtores de papoila são o México, Turquia, China, Índia e os países do chamado Triângulo Dourado (Birmânia, Laos e Tailândia).

Este alcalóide tem uma acção depressora do sistema nervoso. É comercializada em pó, geralmente castanho ou branco (quando pura) de sabor amargo. Foi, durante muito tempo, administrada por via intravenosa, mas o aparecimento da SIDA e os efeitos devastadores que esta teve nos heroinómanos, levou à procura de novas formas de consumo. Actualmente, opta-se também por fumar ou aspirar os vapores libertados pelo seu aquecimento. No entanto, a preparação de uma injecção de heroína continua a ser um ritual, do qual fazem parte a colher e o limão.

A heroína é frequentemente misturada com outras drogas como a cocaína (“speedball”), de forma tornar os efeitos de ambas mais intensos e duradouros.

Em calão, a heroína possui várias denominações. Entre elas podemos referir heroa, cavalo, cavalete, chnouk, castanha, H, pó, poeira, merda, açúcar, brown sugar, burra, gold (heroína muito pura), veneno, bomba ou black tar.

Os opiáceos actuam sobre receptores cerebrais específicos localizados no sistema límbico, na massa cinzenta, na espinal medula e em algumas estruturas periféricas. A morfina, um dos principais componentes da heroína é responsável pelos seus mais salientes efeitos. Funciona como um analgésico poderoso e abranda o funcionamento do Sistema Nervoso Central e da respiração.

 

FONTE:http://www.psicologia.com.pt/instrumentos/drogas/

Tipos de drogas licitas

Posted in Tipos de drogas on junho 2, 2008 by amanda0525

 Álcool

Provavelmente, o álcool foi a primeira droga usada pelo homem. Tornou-se importante em cerimônias católicas e judáicas. Nos rituais de Candomblé, está presente como oferenda a certas entidades; já o Islamismo proíbe expressamente o uso do álcool. Quando ingerido em excesso, torna-se uma substância perigosa, capaz de causar sérios problemas, tanto físicos quanto sociais. Ele pode induzir o rompimento de veias e deteriorar o cérebro, fígado, rins e estômago; é responsável também pela cirrose hepática, doença que pode levar à morte. Além disso, pode causar a redução ou mesmo a perda da potência sexual, o aparecimento de doenças mentais e até alucinações conhecidas como “delirium tremens”. Dificulta a digestão, irrita as paredes do estômago e favorece o aparecimento de úlceras e gastrites. Provoca a má formação fetal, e crianças, filhas de mães alcoólatras, podem apresentar um quadro de síndrome de abstinência.

“No Brasil, o álcool é responsável por mais de 90% das internações hospitalares por dependência, além de aparecer em 70% dos laudos cadavéricos das mortes violentas” (ISTOÉ 1562). Calcula-se que o alcoólatra viva, em média, de dez a doze anos menos que um não dependente, mas ainda assim as pessoas, principalmente os jovens, utilizam a bebida como forma de “se soltar”, para mostrarem que já têm vontade própria, sem saberem que estão entrando numa vida difícil de ser deixada.

Tabaco

O cigarro era utilizado antigamente como um adereço indicador de elegância, de maturidade e até para fins de projeção social. Isto ainda acontece hoje, quando jovens, à procura de firmação junto aos colegas, seguram entre os dedos o símbolo da mudança de vida, de independência e de que não são mais crianças. Só que, infelizmente, estes não têm noção de quanto é prejudicial o tabagismo.

           O fumo de tabaco é o maior multitóxico introduzido pelo homem voluntariamente no organismos. 4720 elementos químicos nocivos à saúde já foram detectados, como por exemplo:

· Nicotina: responsável pela tabaco-dependência, sendo que atua primordialmente sobre o cérebro e o sistema cárdio-vascular.

· Monóxido de Carbono: diminui a oxigenação das células, quando o carbono desta substância se liga à hemácia sangüínea e a inutiliza para o transporte de oxigênio para todo o corpo. Esta má oxigenação pode gerar perda de reflexos que, no trânsito, pode causar acidentes.

· Alcatrão: contém substâncias cancerígenas tais como o benzopireno, cádmio, níquel, arsênio, polônio 210 e a dibenzoa cridina.

· Substâncias irritantes que atuam sobre o sistema respiratório.

· Substância prejudiciais às defesas do organismo.

Passos que podem ajudar a prevenir os problemas das drogas.

Posted in Orientações on maio 29, 2008 by amanda0525

Aprenda tudo sobre o assunto: Leia livros, jornais, revistas e depoimentos sobre o assunto. Participe de palestras e eventos educativos. Quanto mais se souber, mais se entenderá quanto mal podem fazer;

É importante “falar um ano antes, do que cinco minutos depois”. Por isso, os pais devem se atualizar, trocar idéias com outros pais, buscar reuniões, leituras, palestras informativas, afim de se tratar de todas as coisas com o filho, sem preconceito nem omissões;

Consiga o máximo de informações que puder sobre o efeito do uso de drogas e do álcool, nas crianças, nos adolescentes, bem como nos juvens adultos. Descubra tudo que puder sobre “o mundo das drogas” local, isto é, tudo que se passa a respeito em sua vizinhança, em seu bairro, em sua cidade. Em suma, no local que você denominaria de sua comunidade;

Incentive conversas construtivas e não críticas, com os pais, filhos, amigos e professores. Ao mesmo tempo, deve-se ter sempre bem definidas algumas regras e limites sobre o uso de drogas e bebidas e a prática de outros comportamentos;

Procure se informar sobre o tema. Não adianta conversar a respeito daquilo que você não entende. Um bom argumento, e verdadeiro, é dizer que a droga interfere com a sexualidade. Que jovem quer se sentir inferiorizado quando o tema é sexo? Outro caminho para entrar na conversa é abordar um caso de dopping entre atletas.O bate-papo pode enveredar para o que você realmente quer falar. Drogas, é claro;

Procure separar um tempo especial para estar durante a semana, em família, procurando aproveitá-lo da maneira mais agradável, produtiva e criativa possível, com atividades de qualidade. Separe tempo para a família: Aproveite cada período com a família da maneira mais agradável, produtiva e criativa possível, com atividades seletas;

Procure resistir à influência negativa dos colegas, trocando de amigos, mudando o círculo de amizades. Tente envolver-se em atividades com outras pessoas, onde se tenha a impressão de estar bem consigo mesmo, e adquira a confiança necessária para viver livre das drogas. Mantenha regras e limites firmes sobre certos hábitos e vícios e outros comportamentos que se julguem particularmente inaceitáveis;

Os pais devem acompanhar com interesse a educação e o desenvolvimento de seus filhos na escola. Ajudar-lhes a serem bem sucedidos nos estudos e no relacionamento familiar e social é importante;

É preciso enganjar a escola nessa luta, comprometendo-a com o esforço das famílias atingidas. Apesar de ter se transformado em alvo preferencial dos traficantes nas grandes cidades, a escola permanece à margem do combate à droga. Sua ação, muitas vezes, não vai além da vigilância de caráter meramente policial e de alguma palestra elucidativa no decorrer do ano, esforço que é às vezes neutralizado pela atitude permissiva e até pela apologia da droga alardeada por certos professores;

ORIENTE SEUS FILHOS PARA QUE NÃO falem com estranhos na rua, e que não cheguem perto de carros para dar informações;

Enfim, O EXEMPLO DE VIDA SEMPRE FALA MAIS FORTE, daí a necessidade de os pais vivenciarem compreensão, diálogo, ternura, entre eles e com o (a) filho (a). É o alicerce da segurança pessoal, tão básica na construção de um homem feliz.

Fonte:http://www.cruzazul.org.br/orientacoes/orient4.htm

Tipos e efeitos de drogas

Posted in Uncategorized on maio 20, 2008 by amanda0525

Drogas estimulantes

As drogas estimulantes mais conhecidas são as anfetaminas, a cocaína e seus derivados. As anfetaminas podem ser ingeridas, injetadas ou inaladas. Sua ação dura cerca de quatro horas e os principais efeitos são a sensação de grande força e iniciativa, excitação, euforia e insônia. Em pouco tempo, o organismo passa a ser tolerante à substância, exigindo doses cada vez maiores. A médio prazo, a droga pode produzir tremores, inquietude, desidratação da mucosa (boca e nariz principalmente), taquicardia, efeitos psicóticos e dependência psicológica.

 

A cocaína também pode ser inalada, ingerida ou injetada. A duração dos efeitos varia, as a chamada euforia breve persiste por 15 a 30 minutos, em média. Nos primeiros minutos, o usuário tem alucinações agradáveis, euforia, sensação de força muscular e mental. Os batimentos cardíacos ficam acelerados, a respiração torna-se irregular e surge um quadro de grande excitação. Depois, ele pode ser náuseas e insônia. Segundo os especialistas, em pessoas que têm problemas psiquiátricos, o uso de cocaína pode desencadear surtos paranóides, crises psicóticas e condutas perigosas a ele próprio ou a terceiros. Fisicamente, a inalação deixa lesões graves no nariz e a injeção deixa marcas de picada e o risco de contaminação por outras doenças (DST/aids). Em todas as suas formas, causa séria dependência, sendo o crack o principal vilão.

 

Drogas depressoras

No conjunto das drogas depressoras, as mais conhecidas são o álcool, os soníferos, a heroína, a morfina, a cola de sapateiro, os remédios ansiolíticos e antidepressivos (barbitúricos) e seus derivados. Seu principal efeito é retardar o funcionamento do organismo, tornando todas as funções metabólicas mais lentas.

 

A heroína é uma substância inalável. Excepcionalmente, pode ser injetada, o que leva a um quadro de euforia. Quando inalada, porém, resulta em forte sonolência, náuseas, retenção urinária e prisão de ventre – efeitos que duram cerca de quatro horas. A médio prazo, leva à perda do apetite e do desejo sexual e torna a respiração e os batimentos cardíacos mais lentos. Instalada a dependência, o organismo apresenta forte tolerância, obrigando o usuário a aumentar as doses. A superdosagem pode resultar em coma e morte por insuficiência respiratória.

 

Os derivados da morfina apresentam efeitos muito parecidos com os da heroína, porém, com características euforizantes menores. Seu efeito depressor é explorado pela Medicina há várias décadas, principalmente no alívio da dor de pacientes com câncer em estado terminal.

 

Outra preocupação constante dos médicos é o uso abusivo dos antidepressivos, soníferos e ansiolíticos (barbitúricos). Para pessoas que têm doenças psiquiátricas, como as depressões e os distúrbios de ansiedade, estas drogas são extremamente importantes, pois o tratamento adequado atenua o mal-estar e permite que o indivíduo leve uma vida normal.  No entanto, só um médico é capaz de identificar quem deve usar e em que dosagem. Como o próprio nome indica, os antidepressivos aliviam a ansiedade e a tensão mental, mas causam danos à memória, diminuição dos reflexos e da função cardiorrespiratória, sonolência e alterações na capacidade de juízo e raciocínio. A conduta do usuário é muito parecida com a do dependente alcoólico. Em pouco tempo, estas drogas causam dependência, confusão, irritabilidade e sérias perturbações mentais.

 

Alucinógenos

As drogas alucinógenas mais comuns são a maconha, o haxixe, o LSD, os cogumelos e o ecstasy.  

 

A maconha e o haxixe são usadas em forma de cigarro (também pode ser cheirada ou ingerida). Seu efeito dura entre uma e seis horas. Inicialmente, o usuário tem a sensação de maior consciência e desinibição. Ele começa a falar demais, rir sem motivo e ter acessos de euforia. Porém, ele pode perder a noção de espaço (os ambientes parecem maiores ou menores) e a memória recente, além de apresentar um aumento considerável do apetite (“larica”). A maconha costuma afetar consideravelmente os olhos, que ficam vermelhos e injetados. Com o tempo, pode causar conjuntivite, bronquite e dependência. Em excesso, pode produzir efeitos paranóicos e pode ativar episódios esquizofrênicos em pacientes psicóticos.

 

O LSD é encontrado em tabletes, cápsulas ou líquido e é ingerido. Sua ação dura entre 10 e 12 horas. Inicialmente, a droga intensifica as percepções sensoriais, principalmente a visão, e produz alucinações. Com o tempo, pode causar danos cromossômicos sérios, além de intensificar as tendências psicótica, à ansiedade, ao pânico e ao suicídio, pois gera um medo enlouquecedor. O usuário costuma dizer que ouve, toca ou enxerga cores e sons estranhos; fala coisas desconexas e tem um considerável aumento da pupila.

 

Já o cogumelo, geralmente, é ingerido em forma de chá. Seu efeito dura cerca de seis a oito horas, propiciando relaxamento muscular, náuseas e dores de cabeça, seguidos de alucinações visuais e auditivas. A médio prazo, não se conhecem seus efeitos sobre o organismo. Seus sintomas são muito parecidos com os do LSD.

 

Mais recentemente, surgiu no mercado das drogas o Ecstasy, um comprimido que vem sendo comercializado cada vez mais em todo o mundo. Seus efeitos também são alucinógenos, como no caso do LSD e a dependência é inevitável.

Fonte:http://www.faac.unesp.br/pesquisa/nos/olho_vivo/drogas/tip_drog.htm

O que fazer quando os filhos se envolve com drogas

Posted in Orientações, Uncategorized on maio 20, 2008 by amanda0525

DIÁLOGO – Antes de qualquer coisa, escute seus filhos. Converse e tenha tempo para dar atenção. Autoridade não se ganha com agressividade e violência.

INFORMAÇÃO – Procure informar seu filho sobre os riscos do uso de drogas sem mistificar o assunto. Mostre recortes de jornais e revistas, assista com ele a programas na tevê ou depoimentos de pessoas que usam ou usaram drogas. A droga não pode ser tratada como bicho-papão. Ela está em todos os lugares e eles vão topar com pessoas que usam socialmente e não morrem por isso. E é em cima dessa imagem ‘positiva’ que eles vão ser convidados a experimentá-las.

LIMITES – Liberdade demais pode ser encarada como abandono. O filho deve ter hora para chegar em casa, para estudar e precisa saber controlar o dinheiro que recebe. Os pais devem dar limites a seus filhos a partir dos quatro ou dos cinco anos.
CULPA – Não busque culpados se seu filho tornou-se dependente. Também não ache que tudo é responsabilidade das “más companhias”, embora seja recomendável ficar de olho com quem seu filho anda.

AJUDA – Não se envergonhe de buscar ajuda profissional, que normalmente é necessária enquanto o jovem se “limpa” das drogas. Existem psicólogos e psiquiatras que se especializaram em atendimentos de dependentes.

SINAIS – Isolamento, desinteresse, agressividade, intolerância, afastamento da família, desobediência. São sinais de que seu filho pode estar usando drogas.

                                                                                  Fonte:http://www.terra.com.br/istoe/brasileiros/1999/11/13/001.htm